• Facebook
  • Instagram

Colectivo Glovo nasce em 2016 dirigido por Esther Latorre (Espanha) e Hugo Pereira (Portugal) criando um espaço de criação onde ambos, intérpretes e coreógrafos, desenvolvem em conjunto a sua faceta mais imaginativa.

Com sede na Galiza desde 2019, trabalham na criação tanto para teatros como para espaços não convencionais, visto que um dos seus principais objetivos como companhia é aumentar o alcance das dinâmicas do corpo.

Para Glovo, a sua paixão pela linguagem do movimento leva-o a perseguir a investigação de novas expressões cénicas partindo do próprio corpo sem limites estabelecidos.

Ademais, e paralela a esta faceta criativa, a companhia procura aportar ao tecido artístico presente na comunidade gerando espaços de colaboração com outras agrupações e artistas procurando a aproximação entre o maior número de criadores, intérpretes e mentes-corpo inquietas.

Desde a sua fundação em 2016, Colectivo Glovo percorreu diferentes países como Espanha, Portugal, Itália ou México, entre outros. Com a sua primeira peça M A P A, recebeu diferentes menções em festivais como Corto In Danza (Itália), La Espiral Contemporánea (Santander), assim como o prêmio do público no Certamen Coreográfico Internacional de Solos y Dúos Sólodos En Danza (Ourense) ou o Primeiro Prêmio no Certamen Coreográfico Internacional de Burgos & Nueva York – Bailando con Piedras. 

Participou no circuito Red Acieloabierto 2020 e desde 2018 colabora com a empresa de moda Adolfo Domínguez (Prêmio Nacional de Desenho de Moda 2019).

Esther Latorre

Desde muito jovem, começa a sua formação e paixão pela dança e o movimento. Em 2003, submerge-se no mundo da dança clássica que, num futuro, levar-lhe-á explorar novos âmbitos das artes cénicas. Galega de nascimento completa a sua carreira especializando-se e gradua-se em dança contemporânea no Conservatório Profissional de dança de Lugo, formando parte da que seria a primeira promoção de profissionais da dança contemporânea da Galiza. É também diplomada em Magistério de Educação Física na mesma cidade.

Desde então, trabalhou com companhias como a Jove Companyia de Danza Gerard Collins (Valencia), Moudansa (Valencia), Companhia de Dança do Norte (Portugal), companha Maduixa Teatre (ganhadora com o Premio Max ao Melhor Espectáculo de Rua por “Mulïer”; Premio Moritz Millor Estrena de Carrer 2016; Premio Umore Azoka 2017 (País Vasco) e Premio Artes Escénicas Valencianas del IVC en 2018) ou na coprodução do Centro Coreográfico Galego “E_Migrantas” com direção de Kirenia Martínez.

​Foi também merecedora do primeiro premio no Certame coreográfico Delmar (Valencia) com a peça “Aliquam” (coreografia e interpretação propiás) e ganhadora do Premio a Melhor Intérprete de Dança Contemporânea no 11º concurso de dança Gerard Collins.

Desde 2016 codirige Colectivo Glovo junto a Hugo Pereira.

Hugo Pereira

Natural do Porto, começa a sua formação no Conservatório de Dança de Aveiro, onde posteriormente, se gradua em 2015. Recebe diversas formações em dança contemporânea com mestres como: Akram Khan Dance Company, Sagi Gross (GrossDanceCompany, NEDERLANDS), Shirley Esseboom (NEDERLANDS), Víctor Hugo Pontes (NomePropio, PORTUGAL), Bruno Alexandre (PORTUGAL), Carmela García (Otradanza, ESPANHA), Julia Weh (ALEMANHA), Romulus Neagu (PORTUGAL) …

Integrou o elenco da Companhia de Dança do Norte na produção 2015-2016 “Barulhos Nossos”, e participou em diversos festivais nacionais e internacionais de criação.

Atualmente está imerso no projeto GLOVO no qual, junto a Esther Latorre, desenvolve a sua tarefa como criador e interprete formando parte de diversas redes nacionais e internacionais de dança.

Destaca a sua colaboração junto a Adolfo Domínguez (Premio Nacional de Moda 2019) com Esther Latorre.

  • Facebook
  • Instagram Galicia Danza